O que é M-commerce

Como num passe de mágica, tudo veio às mãos! Sim, é essa a lógica dos últimos anos no mundo digital. Se antes ter um site era fundamental, depois torná-lo capaz de seduzir o usuário a realizar uma ação dentro dele foi o primeiro passo a ser dado, após isso vieram os e-commerces, puro e simples, trazendo itens dos sonhos a poucos cliques de distância. Com a transformação do celular em um computador mais que completo, ter sites responsivos passou a ser lei. Atualmente, é impensável construir um sem um layout adaptável no mínimo.

Mas aí é que está. Não estamos falando de adaptabilidade. M-commerce é o comércio eletrônico pensado para os dispositivos móveis, reduzindo etapas, usando todas as formas de segurança e facilidade na usabilidade, para que comprar seja um exercício tão fácil que o usuário não irá se privar de fazer por conta da falta de praticidade.

M-commerce

M-commerce é a primeira forma digital de compra

Pode parecer contraditório, mas lá no início da década passada tornou-se possível comprar aplicações digitais como ringtones, quem não se lembra? Era possível adquirir o hino do seu time para tocar no seu aparelho, por exemplo. As operadoras ofereciam esse suporte dentro das contas pós-pagas ou mesmo retirando créditos nos pré-pagos. Ou seja, sempre houve uma predisposição do usuário de telefonia móvel em usar o aparelho para finalizar comprar. Com o m-commerce você está longe de precisar de um desktop para realizar tal questão. Quer saber algumas dicas para comprar pela internet? Então confira nossa matéria em https://www.targethost.com.br/dicas-para-comprar-pela-internet-com-seguranca/.

Para que tudo funcione perfeitamente, a hospedagem de sites deve estar preparada para a demanda

Como a distância do clique se encurta, é muito fácil realizar os processos. E com muitas pessoas acessando seu site para realizar compras, as bandas de servidor devem comportar o volume ascendente de acesso. Portanto, a hospedagem de sites, bem como todo o desenvolvimento têm os papéis mais importantes no funcionamento de um m-commerce. Conte apenas com os melhores, venha conosco!

Instagram: Ampliação da infraestrutura

instagramEm 2013, um ano após o Instagram se juntar ao Facebook, 200 milhões de pessoas usavam o Instagram todo mês e foram armazenadas 20 bilhões de fotos. Sem um abrandamento à vista, o Instagram começou a mudança, dos seus servidores na Amazon AWS para a infraestrutura do Facebook. Dois anos depois, o Instagram cresceu e virou uma comunidade com mais de 400 milhões de acessos por mês e 40 bilhões de fotos e vídeos, atendendo a um milhão de solicitações por segundo. Para continuar suportando esse crescimento e ter a certeza de que a comunidade do Instagram esteja tendo a melhor experiência possível com o aplicativo, eles decidiram dimensionar sua infraestrutura geograficamente. Neste post você saberá o porque deles ampliarem sua infraestrutura de um para três datacenters e quais os desafios técnicos eles encontraram ao longo do caminho.

A Motivação do Instagram

Mike Krieger, co-fundador do Instagram e CTO, recentemente escreveu um post em seu site que incluía uma história sobre o clima em 2012, quando uma enorme tempestade na Virgínia derrubou quase metade do seu datacenter. O time deles era pequeno, levaram 36 horas para reconstruir a infraestrutura perdida na tempestade. Desastres naturais como este tem um potencial para fazer estragos temporários ou permanentes nos datacenters, e eles querem ter a certeza de que irão conseguir passar por esses danos com o mínimo de impacto possível para os seus usuários.

Outras motivações para eles quererem aumentar sua infraestrutura incluem:

  • Resiliência em questões regionais: Mais comum que desastres naturais são as desconexões, problemas de energia, etc. Por exemplo, assim que eles expandiram os servidores para o Oregon, um dos racks contendo memcache e servidor async foi desligado, o que causou grandes falhas para as solicitações de usuários. Com a nova infraestrutura, eles são capazes de desviar o tráfego da região para contornar o erro até a energia ser recuperada.
  • Flexibilidade com a capacidade de expansão: O Facebook tem vários datacenters. É muito mais fácil expandir a capacidade do Instagram quando ele está disponível e quando sua infraestrutura está pronta para expandir além de uma região, mesmo quando há uma considerável latência na rede. Isso ajudou a tomar decisões rápidas sobre como obter novos recursos para os usuários sem ter que lutar por recursos de infraestrutura para apoiá-los.

De um para dois

Então, como eles conseguiram iniciar essa ampliação? Primeiro veremos como funciona a infraestrutura do Instagram.

Instagram: Ampliação da infraestrutura

A chave para a expansão em múltiplos datacenters é distinguindo os dados globais e os dados locais. Os dados globais precisam ser replicados em todos os centros de dados, e os dados locais podem ser diferentes para cada região (por exemplo, os async jobs criados por um servidor web apenas podem ser vistos naquela região).

A próxima consideração são os recursos de hardwares. Eles podem ser divididos em três tipos: armazenamento, processamento e cache.

Armazenamento
O Instagram utiliza principalmente dois sistemas de banco de dados back-end: PostgreSQL e Cassandra. Os dois tem estruturas de replicação consistentes que funcionam bem como armazenamento de dados global.

Os dados globais mapeiam perfeitamente aos dados armazenados nesses servidores. O objetivo é ter uma eventual consistência desses dados através do datacenter, mas com um atraso em potencial. Como a maioria das operações são de leitura, ler a réplica de cada região evita o cruzamento dos diferentes datacenter com os servidores web.

Escrever para o PostgreSQL, no entanto, ainda é feito através dos diferentes datacenters pois eles sempre vão escrever para o servidor primário.

Processamento
Servidores web e servidores async são dois recursos facilmente distribuídos e que, só precisam ser acessados localmente. Os servidores Web podem criar async jobs em fila por intermédio de mensagens async que serão em seguida consumidos por servidores async. Todos na mesma região.

Cache

A camada de cache é a camada mais acessada do servidor web, e eles precisam ser colocados dentro de um datacenter local para evitar latência de conexão até os usuários. Isso significa que as atualizações para a armazenagem em cache no datacenter não são refletidas no outro datacenter, portanto, criando um desafio para mudar-se para vários datacenters.

Imagine que um usuário comentou uma foto recém-lançada. No caso de um datacenter, o servidor web que recebeu o requerimento pode simplesmente atualizar o cache com o novo comentário. Um seguidor vai ver o novo comentário do mesmo cache.

No cenário de vários centros de dados, no entanto, se o comentário e o seguidor são servidos em diferentes regiões, o cache da região do seguidor não vai ser atualizado e o usuário não verá o comentário.

A solução foi usar o PGQ e melhorá-lo para inserir eventos de invalidação de cache para os bancos de dados que estão sendo modificados.

No lado primário:

  • O servidor web insere o comentário para o PostgreSQL DB;
  • O servidor web insere uma entrada de invalidação do cache no mesmo DB.

No lado da réplica:

  • Replicar o DB primário, incluindo tanto o comentário inserido recentemente, quanto a entrada de invalidação do cache.
  • O processo de invalidação do cache lê a entrada de invalidação de cache e invalida os caches regionais.
  • O Django vai ler o DB com o comentário inserido recentemente e vai recarregar o cache.

Isto resolve o problema de coerência do cache. Por outro lado, em comparação com o caso de uma região onde os servidores Django atualizam diretamente o cache sem re-leitura do DB, isso criaria um aumento da carga de leitura dos bancos de dados. Para acabar com esse problema, eles pegaram duas abordagens: 1) reduzir os recursos computacionais necessários para cada leitura para desnormalizar os contadores; 2) reduzir o número de leituras usando locações de cache. >

Desnormalizando Contadores

As peças mais comuns do cache são os contadores. Por exemplo, eles usam um contador para determinar o número de pessoas que deram Like num post específico do Justin Bieber. Quando há apenas uma região, eles atualizam os contadores do Memcache incrementando dos servidores web. Evitando assim um “select count(*)” chamando para o banco de dados, o que levaria centenas de milissegundos.

Mas com duas regiões e a invalidação PgQ, a cada Like novo cria-se um evento de invalidação de cache para o contador. Isso irá criar um monte de “select count(*)”, especialmente em hot objects.

Para reduzir os recursos necessários para cada uma dessas operações, eles desnormalizaram o contador de Likes nos posts. Sempre que um novo Like é realizado, a contagem é aumentada no banco de dados. Portando, cada leitura da contagem será apenas um simples “select” o que é muito mais eficiente.

Existe também um benefício adicional em desnormalizar contadores no mesmo banco de dados, onde o Like é armazenado. Ambas as atualizações podem ser incluídas em uma transação, fazendo com que as atualizações sejam rápidas e consistentes o tempo todo. Considerando que, antes de mudança, o contador no cache pode ser inconsistente, como o que foi armazenado no bando de dados, devido ao tempo de espera, novas tentativas, etc.

Memcache Lease

No exemplo acima de um novo post do Justin Bieber, durante os primeiros minutos do post, tanto a visualização do novo post quanto os Likes tem um pico. Cada novo Like, o contador é excluído do cache. É muito comum que os servidores web vão tentar tentar recuperar o mesmo contador do cache, mas ele terá um “cache miss”. Se todos eles forem para o servidor de banco de dados para recuperação, criaria um problema Thundering Herd.

Logo, eles usaram o mecanismo de memcache lease para resolver este problema. Ele funciona assim:

  • O servidor web emite um “lease get”, e não o normal “get” do servidor memcache.
  • Servidor memcache retorna ao valor se ele for um sucesso. Neste caso, não é diferente de um normal “get”.
  • Se o servidor memcache não encontrar a chave, ele retorna a “first miss” para apenas um servidor de web dentro de “n” segundos; qualquer outra solicitação “lease get” durante esse tempo terá um “hot miss”. No caso de um “hot miss” onde a chave foi deletada do cache recentemente, irá voltar ao valor obsoleto. Se a chave do cache não surgir em “n” segundos, novamente terá um “first miss” para um pedido de “lease get”.
  • Quando um servidor web recebe um “first miss”, ele vai para o banco de dados para recuperar dados e preencher o cache.
  • Quando um servidor web recebe um “hot miss” com um valor obsoleto, ele pode normalmente utilizar esse valor. Se ele recebe um “hot miss” sem qualquer valor, ele pode optar por esperar o cache ser preenchido pelo servidor web no “first miss”.

Em resumo, com ambas as implementações acima, pode-se reduzir o aumento da carga do banco de dados, reduzindo o número de acessos à base de dados, assim como os recursos necessários para cada acesso.

Ele também melhorou a confiabilidade do backend nos casos em que alguns hot counters caiam para fora do cache, o que não era uma ocorrência pouco frequente nos primeiros dias do Instagram. Cada uma destas ocorrências causaria algum trabalho apressado de um engenheiro para corrigir manualmente o cache. Com essas mudanças, esses incidentes se tornaram história para os engenheiros veteranos.

Latência 10ms para 60ms

Até agora, eles tem se concentrado principalmente na consistência do cache quando os caches se tornaram regionais. A latência na rede entre centros de dados em todo o continente foi outro desafio que impactou vários modelos. Entre os centros de dados, uma latência de 60ms de rede pode causar problemas na replicação de dados, bem como as atualizações de servidores web para o banco de dados. Eles precisaram resolver esses problemas afim de apoiar uma expansão contínua:

Leitor de réplicas PostgreSQL não atualiza
Primeiramente o Postgre faz gravações e depois gera os delta logs. Quanto mais rápida as gravações entrarem, mais frequentemente esses logs serão gerados. Os primeiros logs mais recentes vão ser arquivados para ocasionais necessidades de réplica, é arquivado todos os registros de armazenamento para ter certeza de que eles estão salvos e acessíveis para quaisquer réplicas que precisem de dados mais antigos do que os primários. Desta forma, o primário não fica sem espaço no disco.

Quando é feito a leitura da réplica ela começa a ler o snapshot do banco de dados desde o primário. Uma vez feito isso, ele precisa aplicar os logs que entraram desde o snapshot do banco de dados. Quando todos os logs são aplicados, ele vai estar atualizado e pode transmitir a partir do primário e servir leituras para servidores web.

No entanto, quando a taxa de gravação de um banco de dados grande é bastante elevada, e há uma grande quantidade de latência de rede entre a réplica e o dispositivo de armazenamento, é possível que a velocidade que os logs são lidos seja mais lenta que a velocidade de criação dos logs. A réplica irá cair ainda mais e mais e nunca atualizar.

Eles começaram a corrigir esse problema iniciando um segundo fluxo no novo leitor de réplica logo quando começa a transferência de base snapshot a partir do primário. Isso pega o fluxo de logs e salva eles no disco local. Quando o snapshot acaba de transferir, o leitor de réplica vai conseguir ler os logs locais, fazendo esse processo de recuperação ficar muito mais rápido.

Isso não só solucionou os acontecimentos com a replicação de banco de dados em todos os EUA, mas também reduziu o tempo que levaria para construir uma nova réplica pela metade. Agora, mesmo que o primário e a réplica estejam na mesma região, a eficiência operacional é aumentada drasticamente.

Resumo
O Instagram agora está operando em vários datacenters em todo os EUA, dando para eles capacidade de fazer um planejamento mais flexível, maior confiabilidade e melhor preparação para os desastres naturais como o que aconteceu em 2012. O Facebook testa regularmente seus datacenters, desligando eles em horário de pico. Cerca de um mês atrás, quando acabaram de migrar todos os dados para o novo datacenter, o Facebook fez um teste e o desligou. Foi uma simulação de alto risco, mas felizmente, eles sobreviveram a perda de capacidade sem que os usuários percebam. A Instagration Parte 2 foi um sucesso.

Lisa Guo, em tradução livre: http://engineering.instagram.com/posts/548723638608102/

StartUp bilionária da China chega ao Brasil

Xiaomi ApresentaçãoConhecida como “Apple da China”, a Xiaomi confirmou, na quinta-feira, dia 15/01, o início de suas operações no Brasil, com início ainda nos primeiros seis meses de 2015. O apelido foi atribuído por algumas semelhanças de seu CEO com o Steve Jobs. Lei Jun adota métodos de apresentação bem parecidos com os do fundador do Apple, como o uso intensivo de camisas pretas de malha e apresentações em palcos, com invariáveis telões ao fundo.

As coincidências, entretanto, param por aí. Os aparelhos da Mi, como é conhecida, custam, em média, menos da metade dos similares da empresa norte-americana. O último lançamento da Mi na China, o tablet Mi Note, custou 371 dólares, na versão 16 gigabytes. O concorrente,  na versão paralela, é vendido por 749 dólares.

Com os preços baixos e produtos dotados de tecnologia de ponta, as vendas da Xiaomi são um sucesso estrondoso no seu país natal. É comum, em dias de lançamentos, os aparelhos se esgotarem em questão de minutos. >

O segredo do sucesso da Xiaomi

Para oferecer preços tão competitivos, a Mi utiliza uma estratégia simples, por isso mesmo de grande eficácia. Dá exclusividade para as vendas na internet. Mantém contato permanente com consumidores, cujo feedback ajuda na hora de desenvolver novas tecnologias. Consumidores não, fãs, já que, pelo menos na China, é essa a relação que os compradores têm com a empresa.

Pelo jeito, a fidelização de clientes é algo que recebe a maior atenção da Mi. No aniversário da empresa, é organizado um festival, o Mi Fan Festival. Entre as atrações, brindes com o mascote da marca, jogos que premiam os ganhadores com descontos e muitas outras. >

Fundada em 2010, a Xiaomi se define como uma empresa diferente. Não lança mais de 5 aparelhos por ano, e que é heavy user de redes sociais – na China, eles usam a versão nacional do Twitter para se comunicar, o Weibo.

A importância de investir em e-commerce

Aqui no blog da Target Host já mostramos que o comércio eletrônico só tende a crescer no Brasil. A Xiaomi é mais uma prova de que esta é uma modalidade de negócios que vem se solidificando a passos largos.

Portanto, se você é empresário e não quer ficar para trás, construa seu site e hospede-o com quem entende do assunto. Ligue (11) 4063-0438 ou (21) 4063-8546 e entre para o time das empresas bem sucedidas, com a Target Host!

Novidades do Windows Phone

Windows Phone

Já falamos aqui no blog da Target Host sobre as vantagens e desvantagens dos sistemas iOS e Android. E vamos agora falar sobre as novidades para dispositivos com Windows Phone. No Brasil, as vendas de aparelhos com o sistema operacional desenvolvido pela Microsoft têm crescido muito, e conquistado cada vez mais fãs.

Em abril deste ano, a Microsoft anunciou na feira Build 2014 atualizações no seu sistema operacional. Para celulares, a atualização está disponível para todos os aparelhos Nokia Lumia com Windows 8.

A principal novidade é a disponibilização do aplicativo Cortana, de reconhecimento de voz, como o “Siri”, em iOS e “S-Voice” no Android. Entre os recursos que o assistente digital oferece estão chamadas, envio de notas e texto, definição de lembretes e alarmes, acompanhamento de notícias em assuntos escolhidos pelo usuário, tudo por comando de voz.

Além disso, pode funcionar ainda como o aplicativo “Shazam”, para reconhecimento de músicas que estejam tocando. Ao identificar a música, automaticamente o Cortana envia um link para ela no Xbox Music, uma espécie de loja virtual de música.

O usuário deve iniciar o programa escrevendo e pronunciando o seu nome. Em seguida, o Cortana usará o seu nome para contato.

cortana

Por enquanto, o ponto negativo do Cortana é que ele está disponível apenas em inglês. Por isso, o usuário interessado em experimentar a novidade deve alterar a língua do aparelho para inglês. Ainda não há previsão de quando o assistente digital estará disponível em português.

Outras novidades do Windows 8.1

Os usuários que optaram por utilizar o aparelho em inglês poderão, ainda, ter acesso a outras novidades do Windows Phone 8.1. Entre elas, destacamos o serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft, renomeada de OneDrive. Os arquivos, a partir desta atualização, podem ser gerenciados pelo usuário do aplicativo. O gerenciamento de energia é outro ponto interessante na atualização. Há um aplicativo, chamado Baterry Power Sense, no qual o usuário pode gerenciar o consumo de energia do aparelho.

Com a atualização, é possível também selecionar um modo silencioso, para os momentos em que o usuário não quer ser incomodado. Nele, o celular não toca com chamadas, e-mails ou mensagens recebidas. O usuário pode selecionar os contatos que podem chamar a sua atenção.

O Windows Phone se torna, cada vez mais, uma boa opção para os usuários de smartphones. E você, qual é o seu sistema preferido? >

Android x iOS: qual é o melhor sistema operacional

Tanto os usuários do iOS quanto os do Android costumam ser fieis às suas escolhas, e as defendem de todas as maneiras para o usuário do sistema concorrente.

O iOS é o sistema desenvolvido pela Apple, e utilizado em produtos como iPad e iPhone. Dominou o mercado de smartphones por um longo período, desde o seu lançamento em 2007, e atualmente tem tido um concorrente forte, os aparelhos com sistema Android. Este, por sua vez, é o sistema desenvolvido pelo Google, e usado em aparelhos de marcas como Samsung, LG e Motorola.

Android x iOS: qual é o melhor sistema operacional

Cada sistema operacional tem suas vantagens e desvantagens, por isso, listamos as principais características dos dois para facilitar a sua escolha.

Sistema Operacional

Com relação ao sistema operacional, o iOS leva vantagem, principalmente pela rapidez na navegabilidade e a interface. Por mais que o sistema Android esteja evoluindo, ainda não está no mesmo nível do iOS.

Aplicativos

Já considerando a disponibilidade de aplicativos, há um empate entre os dois. Com o recente crescimento do consumo de celulares com Android, os fabricantes passaram a produzir cada vez mais aplicativos para o sistema. Além disso, o Google também lançou o Google Music, para competir com o iTunes no mercado de compra e download de músicas.

Transferência de arquivos

A transferência de arquivos entre o celular e um computador é um ponto de reclamação dos usuários do iOS, e, por isso, o Android leva vantagem nesse quesito. Os aparelhos com este sistema funcionam como um pen drive, a basta conectá-lo ao computador e transferir os arquivos para uma pasta, enquanto que com o iOS, é necessário utilizar o iTunes para isso.

Personalização

O Android novamente ganha do iOS considerando a personalização do aparelho. Por ser feito para diversas marcas, o Android é desenvolvido em open-source, o que significa que todos, inclusive usuários, podem modificá-lo.

Câmera fotográfica

As câmeras fotográficas dos aparelhos é outro ponto de empate. Claro que cada novo lançamento tem as suas especificações, mas, de maneira geral, as câmeras de todos os aparelhos estão no mesmo nível de qualidade.

Segurança

Quando se considera a segurança de cada um dos dois, especialistas alertam que é um engano acreditar que o iOS leva vantagem. Os dois sistemas estão investindo cada vez mais no quesito segurança de dados e malwares, mas os usuários são os principais responsáveis para garantir a segurança do seu aparelho.

Android x iOS: qual é o melhor sistema operacional

Por último, em quantidade de vendas, o Android supera o iOS em vendas no Brasil. O sistema da Apple, na verdade, está em terceiro lugar no país, atrás também do Windows Phone (para aparelhos Nokia). Isso se deve principalmente à variedade de aparelhos que contam com sistema Android, e muitos deles são mais baratos e acessíveis do que o iPhone.

Conheça 5 aplicativos desenvolvidos para facilitar o trabalho online

Quem trabalha com internet sabe da correria que é administrar um site. Hoje em dia os smartphones e tablets estão cada vez mais velozes, permitindo que seja possível alterar, ajustar e administrar o site sem usar um desktop, aproveitando apenas alguns aplicativos.

Aplicativos apresentados na tela do smartphone

5 aplicativos para quem trabalha com internet

Os aplicativos ideais vão depender muito da área de atuação. Além de webmasters – como são chamados os administradores de sites –, blogueiros e analistas de mídias sociais também têm na palma da mão tudo o que precisam para resolver problemas da rua, por exemplo. >

Como a internet nos exige uma conexão quase que 24 horas por dia, confira 5 apps que podem te ajudar quando você está fora do computador:

  • Google Analytics
  • WordPress
  • Evernote
  • Hootsuite
  • Photoshop

Pacote de apps do Google

Para os administradores de sites é importante ter todo o pacote do Google no celular. Isso porque essas são as ferramentas mais utilizadas para mensurar, monitorar e executar tarefas diárias.

Por isso, você já sabe! Trabalha com internet? Tenha sempre bons aplicativos no celular para te auxiliar quando estiver longe do computador! E qualquer coisa, basta procurar a TargetHost, nós temos diversos serviços para você.

Motorola e Phonebloks podem iniciar uma revolução

Um smartphone atualizável e customizável, e não na parte de softwares, pois isso o Android já trouxe. O que você verá nesse texto pode ser o futuro da tecnologia de telecomunicações. Foi essa a ideia que uniu a Motorola ao Phonebloks, no Projeto Ara.

phoneblocks

De acordo com o fabricante, a ideia do projeto consiste em dar uma maior flexibilidade para os celulares. >

Essa ideia consiste na criação de um dispositivo endoesqueleto que poderá receber módulos que funcionam como “plug and play”. Bastando encaixar a parte nova e o telefone estará pronto para uso. Essas partes podem ser processadores, uma bateria extra, uma nova tela ou até mesmo uma câmera de melhor resolução que a anterior.

“Queremos fazer com o hardware o que a plataforma Android tem feito pelo software: criar um ecossistema de desenvolvedores vibrantes, diminuir as barreiras, aumentar o ritmo de inovação e comprimir substancialmente os prazos de desenvolvimento”, publicou a Motorola em nota à imprensa.

Com o apoio do idealizador, Motorola finalmente vem a público

Recentemente o criador do Phonebloks, Dave Hakkens, deu apoio ao projeto da Motorola. Isso fez a empresa finalmente vir a público, mesmo já estando trabalhando no “Ara” há mais de um ano.

“Nós compartilhamos uma visão comum: desenvolver uma plataforma de telefone que é modular, aberto, personalizável e feito para o mundo inteiro. Nós fizemos um trabalho técnico profundo. Dave criou uma comunidade.

O projeto aberto requer ambos. Então, vamos trabalhar com o Ara em aberto, interagindo com a comunidade Phonebloks todo o nosso processo de desenvolvimento”, publicou Paul Eremenko, do grupo de tecnologia avançada da Motorola.

Os primeiros dispositivos, porém, só devem começar a aparecer nos próximos meses, isso se os consumidores aprovarem a ideia. Essa iniciativa poderá revolucionar todo o ramo de empresas de telefonia celular.

Nymi: bracelete transforma suas batidas do coração em senha

 

São muitas senhas para lembrar: a senha do banco, do e-mail, das redes sociais, do sistema da faculdade… É inevitável esquecer alguma pelo menos uma vez na vida. Pior mesmo é quando hackeiam a sua conta e você perde dados de uma vida inteira, mas isso é passado. Não, nós não estamos falando do reconhecimento de voz, de olhos ou de impressões digitais, a novidade é o reconhecimento de batidas cardíacas!

COMO FUNCIONA

Cada ser humano possui um ritmo cardíaco único e é a partir dessa particularidade que o bracelete Nymi, da startup Bionym, tem ganhado admiradores ao redor do mundo. Os hackers terão um trabalho danado para burlar esse tipo de autenticação, isso porque o Nymi fica em constante autenticação da identidade do usuário, do momento que você o coloca, até que você o retire. E se outra pessoa tentar usar, ele vai detectar a batida cardíaca diferente e será bloqueado.

O dispositivo funciona como um mini-eletrocardiograma, mas também funciona a partir da leitura do humor e de um sensor de proximidade. Porém essas particularidades só servem para alguns gestos básicos.

Em uma propaganda do Nymi ele oferece uma visão do futuro, na qual os carros abrem as portas conforme você se aproxima, seu tablet automaticamente faz o login e você paga o café apenas com o balançar do pulso na frente do registro. Outras aplicações incluem acesso a quartos de hotel, ajustar a temperatura do quarto e, também, mudar de canal na televisão.

ONDE COMPRAR

Ficou entusiasmado? Quer comprar agora? O produto ainda está em fase de protótipo, mas a Bionym tem encorajado os desenvolvedores a correr contra o tempo. Enquanto isso, o primeiro lote dos dispositivos Nymi irá funcionar com apps disponíveis para Android, iOS, Macs e Windows.

Se você conhecer alguém que more nos EUA pode fazer a pré-compra no site da Nymi por $79. Este preço é disponível para as primeiras 25.000 pessoas que comprarem. Depois, o preço vai aumentar para $99. As entregas do gadget começarão na primavera de 2014 (ou seja, o nosso outono).

Esperamos que esse dispositivo se dissemine logo e que nós possamos deixar para trás esse pensamento analógico de senhas e mais senhas.

E você, o que achou da novidade?